03 junho 2014

Eu visto Omunga e você deveria também

Eu Visto Omunga
Foto tirada e editada por Matheus Farias
Olá Booltzer’s e paraquedistas, tudo bem com vocês? Espero que sim, porque hoje estou trazendo um assunto que me deixa muito feliz em ajudar. O projeto Livros para África da grife social Omunga. Como vocês podem ver na foto acima, eu já vesti essa camisa e estou fazendo o que posso para ajuda-los nessa missão. Além deste post, também já desenvolvi uma ilustração para eles que pode, no futuro, ser parte da grife. E como você pode ajudar? Bom, continue lendo que te explico tudo.


Antes tenho que lhe apresentar o projeto, então nada mais justo do que começar por:

Por que?

Segundo o último relatório de desenvolvimento humano da Unesco, a educação recebe apenas 1,4% da ajuda humanitária no mundo. Para ajudar a mudar essa triste realidade, está sendo lançado neste mês de abril o segundo projeto de uma empresa criada por um novo tipo de empreendedorismo que começa aos poucos a surgir de forma organizada no Brasil e no mundo.
Após concluir com êxito em 2013 o projeto brasileiro “Escolas do Sertão”, com a inauguração de duas bibliotecas e a capacitação dos professores locais no Piauí, a grife social Omunga embarca em novo desafio, agora voltado a beneficiar as crianças da região africana com colonização portuguesa.

O que é?

GRIFE SOCIAL OMUNGA LANÇA PROJETO LIVROS PARA ÁFRICA
Primeira grife catarinense criada exclusivamente com o propósito de empreendedorismo social, faz o lançamento das vendas para seu segundo projeto de promoção da leitura e educação em comunidades desassistidas

Livros para África - Omunga
Foto tirada por Matheus Farias

Projeto Livros para África

Livros para África - Omunga (6)
Foto: Max Schwoelk

Com a previsão de captar um investimento total de aproximadamente R$ 320 mil ao longo de seis meses, a nova missão é a construção de mais duas bibliotecas na África: um na periferia de Luanda (capital de Angola) e outra na cidade de Boroma, interior de Moçambique, beneficiando diretamente mais de 3 mil crianças/adolescentes, com a inauguração prevista para ocorrer ainda no segundo semestre de 2014.

Fundada pelo empreendedor catarinense Roberto Pascoal, após várias experiências com trabalhos voluntários, a Omunga foi oficializada em 2013, tendo como lema “ação e educação”. Trata-se de uma organização estabelecida como pessoa jurídica sem fins lucrativos, que arrecada fundos, recursos materiais e capta voluntários para projetos educacionais. O objetivo geral é gerar recursos para construir bibliotecas em regiões de carência extrema. A origem do nome Omunga é uma expressão do dialeto africano “umbundo” que significa união, unidade, conjunto.

Diferente das tradicionais ONGs que exigem um complexo processo burocrático para serem criadas, a proposta da empresa é ser uma organização também sem fins lucrativos, mas autônoma o suficiente para bancar os projetos sociais escolhidos após avaliação in loco das necessidades, do interesse da comunidade local e do apoio da gestão pública. “A grife social Omunga tem o propósito de ser um meio de mobilização e articulação da sociedade, a fim de criar melhores condições de educação para crianças e adolescentes que vivem em regiões de extrema vulnerabilidade no Brasil e no mundo, estimulando a compaixão e a ação prática da consciência social”, afirma Pascoal, que ainda sonha poder viver só desse tipo de empreendedorismo no futuro.

Aliando a carreira de consultor e gestor de vendas no circuito Brasil-África, Pascoal é uma das novas lideranças representantes do chamado “empreendedorismo social”, que resolveu agir ao conviver com os desafios de regiões de extrema carência de recursos materiais no nordeste brasileiro e em países africanos de colonização portuguesa. “Quero que as pessoas parem e pensem: há quanto tempo não faço nada para ajudar o próximo? A ação social está ao alcance de cada um de nós, por isso não basta ter compaixão, é preciso agir”, defende.

Como ajudar

A Omunga está em busca de canais de exposição para divulgar as iniciativas e a comercializar seus produtos, no caso camisetas, cujos recursos serão revertidos integralmente aos projetos. As empresas interessadas em ajudar a viabilizar os projetos podem adquirir lotes maiores de camisetas, fazer doações de equipamentos usados ou aporte financeiro direto. Já as pessoas físicas podem participar de diversas formas: comprando e revendendo camisetas, sendo um divulgador dos projetos por meio de ativismo digital nas chamadas mídias sociais da internet, fazendo trabalho voluntário, e ainda indicando empresas que tenham sinergia com a causa da promoção da educação.

O kit do projeto Livros para África começou a ser vendido a partir de 14 de abril, no valor de R$ 49,90 e pode ser adquirido exclusivamente pelo site: www.omunga.com.

Livros para África - Omunga (4)
Livros para África - Omunga (3)Livros para África - Omunga (5)
Fotos:  Giu Vicente

Artistas voluntários no projeto

Além da camiseta, faz parte do kit um livro infantil com história especialmente criada pelo escritor Jura Arruda, com ilustração de Micheline Moes. As camisetas do projeto contam com grafismos diferentes, criados por vários designers voluntários, como Adri Volpi, Giu Vicente e pelo estúdio FAZdesign.


Livros para África - Omunga (1)Livros para África - Omunga (2)
Fotos:  Giu Vicente

Já dizia Monteiro Lobato: “Um país se faz com homens e com livros
-- OMUNGA – ação e educação
*Texto retirado do release da Omunga.

Bom Galera, se você leu tudo e chegou até aqui, deve mesmo estar interessado. Então é hora de agir, faça sua parte compre o kit do projeto, presentei seus amigos e familiares e ajude a essa empresa social a plantar a mudança no mundo de amanhã.

Curta página do Facebook (abaixo), acesse o site, Tweet essa ideia! E faça a diferença!